quinta-feira, 22 de novembro de 2007

O poder da fé

No meio da brincadeira, como se tivesse lembrado, de repente, de algo que ouvira da boca de um adulto, a menina lançou os grandes olhos brilhantes, fitando profundamente o seu companheiro de muitas aventuras, e perguntou:

- O que é fé?

Ele deu uma pausa na brincadeira, olhou-a com seriedade, pensou alguns segundos e respondeu:

- Fé é acreditar.

- Como assim? – insistiu a pequena de seis anos. Me explique...

O avô pegou a netinha nos braços, colocou-a sobre a mesa e ordenou:

- Pule!

Surpresa, a criança se negou a fazer o que o avô mandava, alegando que iria cair. O homem, então, se posicionou na frente da menina, abriu os braços, fixou seus olhos nos dela e disse:

- Pule que eu lhe seguro!

A menina endireitou o corpinho frágil, ergueu os braços, tomou impulso e pulou no vazio, sendo colhida pelos braços firmes de seu avô.

- Isto é fé! – asseverou ele, colocando-a de volta no chão.

A garotinha abriu um largo sorriso – demonstrando que havia compreendido perfeitamente a explicação do avô. Então preparou-se para uma nova brincadeira, batendo levemente no ombro do avô: - Você agora é o pega!

@para Flavinha.

2 comentários:

Flavinha disse...

você é incrível! eu não poderia receber homenagem mais linda, porque todas as histórias vividas com meu avô estão guardadas na parte mais linda da minha memória. são todas cheias de amor e ternura. obrigada, querida, por imortalizar este momento! um beijo emocionado!

Maria Moura. disse...

eu é que te agradeço por compartilhares comigo episódios tão bonitos quanto este, Flavinha. como boa contadora de histórias, eu não poderia deixar de publicar esta que, além de apontar caminhos para o trato com os infantes, aquece o coração de quem a lê.
.
.
um beijo,
MM.