terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Começar de novo!

“Não fosse assim, não teria Ele dois grandes atributos: o amor e a justiça”


Em sua infinita misericórdia, Deus deu ao Homem a oportunidade de começar de novo tantas vezes quantas forem necessárias ao seu aprimoramento espiritual. Não fosse assim, não teria Ele dois grandes atributos: o amor e a justiça.

Sendo a vida uma caminhada infinda e ininterrupta para o Espírito, Sua idéia genial permite a cada um deixar a Terra e retornar a ela inúmeras vezes até que tenha obtido todo o aprendizado possível neste orbe.

Seguidores naturais do Criador – como todo filho tende a copiar o pai –, os homens têm estudado a natureza e observado o céu, desde tempos imemoriais, na tentativa de fracionar o tempo e “contar” a existência. Por causa disso, vários calendários foram criados antes da reforma proposta pelo astrônomo napolitano Aloysius Lilius para regular a data da Páscoa.

Por ter acontecido durante o papado de Gregório XIII, o novo calendário – que tirou 10 dias do ano de 1582 para colocar o equinócio vernal [o primeiro cruzamento do Sol com o equador celeste] em 21 de março, introduziu a regra dos anos bissextos e instituiu o 1º de janeiro como primeiro dia do ano, concluindo que cada ano tem 365,2425 dias solares médios –, passou a ser chamado de calendário gregoriano.

Essas modificações foram imediatamente adotadas pelos países católicos, como Portugal, Brasil, Polônia, entre outros. Mas, apesar de representar um avanço, o novo calendário demorou a ser aceito pelos países não católicos, sobretudo, por motivos político/religiosos. Os EUA e a Inglaterra, por exemplo, só implementaram a reforma em setembro de 1752, quando o dia subseqüente a 2 de setembro passou a ser 14.

Aos poucos, os outros países foram adotando o calendário gregoriano – como a Rússia, que só o fez no ano de 1918, depois da Revolução Bolchevista –, mas, mesmo assim, embora seja o mais usado no mundo, ainda há outros 40 em uso.

Como se vê, as obras humanas e o nosso entendimento sobre a Criação divina são ainda imperfeitos e limitados, mas os propósitos do Pai, ao nos “soprar” as idéias progressistas, são de uma sabedoria singular...

Quis o Autor da Vida que, ao iniciar um novo dia, uma nova semana, um novo mês, uma nova estação, um novo ano, uma nova existência, todos os seus filhos tivessem a impressão de estar diante da oportunidade de recomeçar e, dessa vez, lograr êxito em seus propósitos.

Cá nos encontramos, novamente, diante de um desses momentos importantes que nos são ofertados: depois de amanhã daremos início a uma nova oportunidade de acertar! Mais do que a simples rituais, o Ano-Novo nos convida a estabelecer metas e avançar com novas escolhas e atitudes renovadas. Afinal, de nada valerá a idéia do “novo” se mantivermos velhos hábitos e permanecermos no erro. Pois, como alerta o Espírito André Luís em texto psicografado por Chico Xavier, “progresso é fruto de escolha. [...] Afora tu mesmo, ninguém te decide o destino”.

“Para ser feliz (prossegue o Espírito em outra mensagem intitulada “Ano Novo”), próspero, vencedor, receber amores e dádivas, bênçãos e distinções, podes formular votos, tecer esperanças, alinhavar projetos, enumerar decisões, vestir cores certas, brindar à sorte. Porém, se no coração, o homem velho prossegue, se o ontem ainda te governa, se melhoras apenas te farão mais forte no que te é dispensável, então prosseguirás, ano após ano, imerso no mesmo tempo, estacionário, por livre e espontânea vontade, de um eterno ano velho, passado”.

Com essas palavras, eu me despeço de 2008 desejando aos queridos amigos que se dignaram a acompanhar esta página ao longo do ano todo uma nova etapa em suas vidas, marcada por pequeninas, mas significativas mudanças de comportamento. Para que 2009 venha a ser, verdadeiramente, um ano melhor para todos nós. Até lá!

Um comentário:

Soldadonofront disse...

Muito Bom.

Ouço a voz sobre a voz.

!!@v@nte Maria!!