segunda-feira, 22 de junho de 2009

De volta ao caos...

Porque, em verdade, o inferno é um estado de consciência (e não um lugar circunscrito no espaço), quando escreveu “A Morte dos Elementos” o poeta não transcrevia para o papel as suas visões apocalípticas, mas as consequências – aliás, bem previsíveis! – da incúria humana: tão desatentos às necessidades do nosso planeta quanto desapercebido das nossas próprias carências...

Por isso, e porque penso que ainda dá tempo de revertermos o futuro nefasto que se delineia à nossa frente, trago estes versos para refletirmos neste início de semana.

E porque acredito no enorme poder das potencialidades que trazemos no íntimo, quando utilizadas para o bem.


***

E há de vir um dia em que a Terra que acolheu teu cadáver
será vazia como um cemitério.
E da água que te batizou e te matou a sede
não restará um gota.
E o ar não envolverá a terra nem as águas;
e junto aos três elementos que tantas vezes na Vida
nem te deram prazer, nem te deram pesar,
indiferentes a ti como se não existissem;
só o fogo, o forte fogo invencível
pode acompanhar teu espírito e envolvê-lo.
E chorarás em vão e rangerás teus dentes.


(Jorge de Lima - A morte dos elementos . Poesia Completa . vol. I )

4 comentários:

Anônimo disse...

Desde que eu li seu post de sábado fiquei com vontade de escrever... Fique angustiada não, Mokinha... Você não é disso. Sabe, como poucos, que essas coisas passam. Cê já passou tanta tempestade por aí... Vai tirar de letra mais essa.
Bjos,
S.

Maria Moura. disse...

claro que sei, amora.

nestes dias difíceis, eu tenho sentado ao meio fio da vida e assistido, com certa paciência, ao desfile dos blocos, dos circos, das troças...

enquanto isso, tenho trabalhado bastante na Seara do Cristo, me aprofundando nos estudos e vivendo experiências muito ricas na prática da D. E.

e tenho curtido bastante a companhia das meninas, enquanto ainda caminhamos juntas. porque também sei que tudo que é bom e, hoje, me enche a alma de alegria também vai passar...

mas adorei saber que passastes por aqui!

Bjo beeeem gde.

Anônimo disse...

"Respostando..."

Eu sempre passo por aqui... É uma forma de matar um pouco a saudade daquele convívio diário...

Só que, diante de uma tão competente escrevinhadora, prefiro ler, aprender e refletir com os textos a deixar aqui minhas impressões.

Aprender, refletir e ter notícias suas, das meninas, do Ping e, agora, da Lola, pois muitos dos seus escritos, como não poderia deixar de ser, gira em torno dessa sua bela família e, assim, eu fico sabendo das coisas sem ligar para perguntar... (eh, eh, eh...)

E por falar na Lola, você não sabia, mas depois que a Âmbar se foi, adotei outro "filho": Menelau, um canário que canta que é uma beleza. Nunca tinha me imaginado criando um passarinho...

bjks!

S.

Maria Moura. disse...

Menelau??
kkkkkkkkkkkkkkkk...
adorei o nome.
e, cá pra nós, eu também nunca me imaginei criando "filhos" dentro de uma gaiola. Maya quase bota Lola "pra fora de casa"! até que lemos que os periquitos belga são criados em cativeiro...
fazer o que? o homem criou agora vamos cuidar...
bjo, linda, digo, Serra.
adoro quando vc me escreve...