terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Fazendo reverências...

Sem vocês eu não seria tão feliz!

Com se fosse uma despedida, o céu foi se condensando em densas nuvens até ficar escuro e abafado, mas, de repente, se desmanchou em afiados pingos d’água, que venceram a massa de ar quente e caíram fortemente sobre o solo, esfriando os ares. É madrugada quando sou acordada pela chuva e decido escrever, ensaiando também a minha despedida...

Muitas pessoas já se aglomeram nas lojas, compram as roupas brancas e os últimos artigos que faltam para as manifestações a que vão dar vazão neste Reveillon. O que todos querem é um ano bom, pois o que vem sempre parece ser melhor. Desejam paz, saúde, felicidade e dinheiro. Quem já possui tudo isso, “pede” outras coisas, é claro, porque o homem nunca está satisfeito com o que possui.

Eu, por mim, que agora sinto o frescor da brisa alongando a madrugada e passeando pela casa adormecida, tenho outros planos para os últimos instantes deste que, a meu ver, foi um ano bom. O meu sentimento neste pouco tempo que me separa do futuro é de profunda gratidão, logo, o meu desejo sincero é o de agradecer. Aprendi muito em 2007 e acredito que, a despeito das dificuldades vivenciadas, o saldo foi positivo.

Neste momento, em que o barulho da chuva toma conta lá de fora e me embala como uma canção de ninar, também a minha alma se permite ser lavada de todas as mazelas vividas ao longo desse ano. Guardo comigo o aprendizado que ficou; o resto, lanço ao esquecimento, como as águas sem vida escorrem apressadas pelas galerias.

Eu abro mão das coisas ruins que aconteceram para estar de mãos vazias quando o futuro chegar trazendo novidades. Eu abro mão de alguns velhos hábitos e antigos caprichos para olhar para frente e começar de novo, cheia de esperança, no ano que se aproxima. Quero iniciar novos projetos, estabelecer novas metas, fazer novos amigos e me esforçar, de verdade, para tornar real um antigo sonho possível. Quero seguir em frente, cheia de alegria e gosto pela vida, ajustando as potencialidades que trago a serviço do Bem, pois apenas esperam a ação da minha vontade para serem aproveitadas.

Quero ser um bom exemplo para minhas filhas e estar perto delas sempre que precisarem de uma mão firme que lhes alivie a queda e aponte caminhos. Por isso, terei muito cuidado para não atender a todos os seus caprichos: uma frustraçãozinha, de vez em quando, vai lhes ajudar a moldar o caráter no Bem, a serem solidárias e a manterem os pés no chão e o coração no Alto...

Quero realizar muitas coisas no ano vindouro, mas antes que se expire por completo a lembrança deste que se despede, eu quero agradecer a todas as pessoas que, de uma forma ou de outra, me ajudaram ao longo dele. E para que não cometa injustiça esquecendo alguém, citarei alguns poucos nomes que agora me vêm à mente, mas que, com certeza, não representam a totalidade dos meus beneficiários.

Agradeço de toda minha alma, todo meu coração, todo meu entendimento, ao Pai do Céu, pelo dom da vida, e ao amigo Jesus, pela amizade incondicional nas horas boas e nas difíceis.

Agradeço às minhas filhas pelo amor que me devotam constantemente e pela paciência abnegada de me dividirem tanto com os compromissos que abraço: sem vocês eu não seria tão feliz! E os amigos Nereida, Serra Seca, Telma Inês, Maria Helena Soares, Narciso, Rommie, Dona Biu, Bob, a turma do Café das Cinco, Elódia, Elen, Marçal Fortes, Alessandro Lima... Vocês fizeram o mundo parecer melhor para mim em 2007!

E aos meus leitores/incentivadores singulares, como Bernardino Nogueira, Diógenes Tenório Jr, Marcial Lima, Givaldo, D. Terezinha, Aydete Vianna, José Carlos e Tinina – que não conheço pessoalmente, mas soube que coleciona meus escritos com a devoção de uma fã –, os meus sinceros agradecimentos: eu dedico esta primeira crônica do ano a vocês. Feliz 2008!

3 comentários:

Anônimo disse...

Yvette, obrigada pelos ensinamentos que infelizmente foram interrompidos. Que, como você escreveu em "Fazendo referências...", muitas realizações venham em 2008.

Grande abraço!
Acássia Deliê

Karina disse...

Oi Maria Moura,
Parabéns pelo seu trabalho. É sempre uma delícia ler o que você escreve.
É suave, e ao mesmo tempo FORTE.
Sou sua fã.
Beijo Grande. Saudades das nossas conversas.
Karina Calheiros.

Maria Moura. disse...

coisa boa é fazer amigos e espalhar sorrisos...
também sinto saudade de vocês, meninas, mas tenho certeza que, uma vez despertados, o carinho, a amizade e a admiração permanecerão intáctos.
continuemos a nos enocontrar por outros meios, então.
um grande beijo!