segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Aborto sentimental

Acabei me cansando de te carregar aqui dentro como se fosse um apêndice – órgão sem utilidade ou função específica. Cuidadosamente, debrucei-me sobre a linha do tempo e te depositei nas valas do passado: lugar de onde nada te traria de volta e as dobras da vida, finalmente, um dia, irão te apagar.

6 comentários:

Anônimo disse...

Após 22 anos fiz um desses, não foi fácil, porém NECESSÁRIO.

Anônimo disse...

não consigo enviar contários com minha identificação.
sempre dá url inválido, JACQUELINEMARLENE

Maria Moura. disse...

arrancar sentimentos é sempre uma tarefa difícil, mas, às vezes, torna-se uma decisão fundamental. afinal,
ninguém é obrigado a amar ninguém, mas cada um tem o dever de cuidar de si mesmo, não é verdade?
um beijo querida,
bom tê-la por aqui!
MM.

Débora Camargos disse...

Queria transformar esse poema numa realidade. Abortar mesmo!
Menina, o que é isso?
Que inspiração divina é essa que tu tens?
Posso colocar no meu blog?
Com os devidos créditos é claro!
Bjs

Maria Moura. disse...

a tarefa não é fácil, Bárbara.
mas também não é impossível.
tomara que vc consiga.

ah, e pode postar sim no seu blog. será um prazer!
eu vou aproveitar e vou lá conhecê-lo, tá?
bjos.

MM.

Débora Camargos disse...

Postei seu poema no meu blog. Passa lá!