quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Das coisas boas da vida...

(Foto; Yvette Moura)

Desde pequeninha a minha filha caçula tem umas tiradas muito interessantes. Mais do que engraçadas ou super inteligentes, intelectualmente falando, elas são de uma  singeleza e perspicácia que chamam a atenção. E de uma profundidade que sempre me emocionam...

Nos primeiros anos da escola, ela costumava ganhar os concursos de desenho exatamente pela riqueza de detalhes. Certa vez, numa homenagem de Dia das Mães, a professora pediu uma foto da genitora de cada aluno e propôs que as crianças fizessem uma redação descritiva sobre suas mães. Então a Maya escreveu assim:

“A minha mãe não é alta nem é baixa, não gorda nem é magra, não é branca nem é preta e tem o cabelo laranja”.

Fiquei tão surpresa quando li, que enchi os olhos de lágrimas e caí na gargalhada. Porque jamais imaginei que os cabelos pintados em tom acobreado fossem o item fundamental que iria me diferenciar de todas as outras mães.

Um dia desses, após sorrirmos muito relembrando situações engraçadas da sua infância, ela voltou-se do espelho e me disse:

- Se a nossa casa fosse uma pessoa, ela seria uma pessoa sorrindo!

- Por que “uma pessoa sorrindo”? Perguntei, surpresa com aquela observação.

- Porque a gente vive fazendo brincadeiras e cantando. Quando alguém fica um pouco isolado ou sério demais todos logo percebem, pois chega muda a vibração do ambiente.

Confesso que fiquei feliz e emocionada. Porque, nos dias de hoje, para mim é como receber um troféu ouvir um comentário desses, vindo da filha que está prestes a completar 20 anos, enquanto muitos pais estão amargando com o abandono e a ingratidão dos filhos.

Falta de respeito, grosserias, desconsideração de toda sorte têm sido cada vez mais frequentes nas relações interpessoais, principalmente no seio das famílias. Tenho visto com certa frequência pais que ficam se perguntando “onde foi que eu errei?”, “o que ficou faltando?”.

É então que eu percebo que segui a trilha mais acertada, entre os vários caminhos ofertados pelo mundo. Quando ouço um comentário desses, nascido da pureza do coração de minha filha, sinto o sabor das coisas boas da vida.

3 comentários:

Olívia de Cássia-Jornalista disse...

Lindo, Yvette, adorei.

Yvette Maria Moura. disse...

Obrigada, querida. Feliz pela sua visita a esta página.

Anônimo disse...

Parabéns minha querida, pelas inspirações que tens postado. Parabéns pela alma sensível que és, sensibilizando as nossas almas, com os teus artigos. Beijos.

Conceição Farias.